13.10.08

Confessions on a dance floor


So slide over here
And give me a moment
Your moves are so raw
I've got to let you know
I've got to let you know
You're one of my kind


I need you tonight
'Cause I'm not sleeping
There's something about you girl
That makes me sweat

(Need You Tonight, INXS)


"Gajo, adorava foder contigo". Tout court. Dizem que quem anda à chuva é para se molhar, mas, ainda assim, este é o tipo de abordagem straight to the point que, por norma, me deixa algo indiferente. Há quem diga que tenho pruridos a mais, que me comporto, não raras vezes, como um "donzelo" e que, para uma queca (transa) descartável, não é preciso estar cá com coisas. Talvez o problema seja esse, o das quecas descartáveis. Não tenho nada contra uma boa queca descartável, mas já o mesmo não digo das pessoas. Não gosto de quecas com pessoas descartáveis a priori. Pode parecer a mesma coisa, mas não é. Garanto-vos que não é.

Agora o reverso da medalha...

O Médico, boa conversa, um ano mais velho do que eu. Diz que a sua relação de vários anos está em crise, que me acha atraente, interessante, rebeubéu, pardais ao ninho... Acena-me com um jantar, mas, como mostro alguma reserva, sugere antes um copo... Não gosto de blind dates; insisto que antes vai ter de se mostrar. Desaparece do mapa.

O Oficial da justiça e O Advogado. O primeiro vai bem lançado nos trinta, o segundo está quase a chegar lá. Nenhum dos dois me deixa extasiado do ponto de vista físico, mas parecem pessoas agradáveis e de bom trato. Conversamos, mas, quase sem me darem tempo para mais nada, já estão a fazer cobranças, a reclamar exclusividade e a amuar. É delete sem contemplações.

O Arquitecto, primeira metade dos trinta, corpitcho bom todos os dias. A conversa começa bem. Tipo inteligente, com sentido de humor e bom gosto. Numa noite de insónia, manda-me uma mensagem. Mas, lá está, dá-me a impressão de que não andamos bem ao mesmo. Estamos num impasse. Está morno. Quase frio.

O Louro Alto que se julga o Pequeno Príncipe, só que em versão sei-que-sou-bonito-e-safado. Começámos a trocar farpas sem grande consistência, mas a coisa arrasta-se e ele nunca me deixa sem resposta. Tem namorado, diz ele - e eu julgo que até sei quem é, um moreno de parar o trânsito -, mas ainda assim está cheio de graças para o meu lado. A dar alguma coisa, vai ser só putaria da grossa.

O Gestor de linha férrea, seja lá o que isso quer realmente dizer. Não é bonito, mas tem um bom corpo e sabe conversar. É dos tipos que mais se interessou por mim, fora a embalagem, nos últimos tempos. Num só dia mandou-me 11 mensagens e não esconde que está muitoooooooooo a fim, mas fá-lo com elegância. Detalhe: tem uma relação aberta com o seu companheiro de há 13 anos... À última da hora inventei uma desculpa para ganhar tempo. Acho que vou sair de fininho enquanto ainda posso. Não tenho pedalada para estas coisas muito modernas.

O Antropólogo, a mesma idade, com namorado na Polónia. Diz que quer ser meu amigo, mas não arrisca um "desta água não beberei". Estou fascinado com a sua inteligência, com o seu sentido de oportunidade e pela forma como me desafia. É daqueles que dá luta e isso deixa-me muito, mas mesmo muito curioso. Está-me a conquistar pelo cérebro e isso é perigoso. Não sei onde isto vai dar. Vamos jantar na sexta.

O Contabilista, idade de Cristo, bem menos sonso e inocente do que parece ao primeiro olhar. Está louco para arranjar um namorado, o que me deixa de pé atrás. Não me atrai, mas ainda assim, e como tratou logo de me passar o seu número e de insistir imenso para irmos beber um café, eu lá resolvi tentar. Na hora, o tipo fez-se de caro e depois desculpou-se imenso. Fiquei fulo. Purgatório com ele.

O Investigador na área de Humanidades, com apenas 24 anos. Sacrilégio. Não era, não é, meu propósito envolver-me com alguém tão novo. Abro uma excepção e, desde logo, a primeira conversa revela várias afinidades... Desde então, a afinidade não pára de crescer e ele revela uma maturidade que eu não estava à espera. Tenho imensas reticências, mas não nego que a coisa está a tomar um rumo inesperado. Marcámos um café na quinta.

A lista é extensa e nem sequer está completa. A avaliar pelo tamanho da encrenca em que me estou a enfiar, muitos, não duvido, dir-me-ão que mais valia, por ventura, eu dar ouvidos a quem não perde tempo com floreados ou converseta de salão e vai directo ao que (lhe) interessa: "gajo, gostava de foder contigo". Pois é, acontece que eu gosto de preliminares e de jogos de salão.
"Oh God, make me good, but not yet!".

13 comentários:

Will disse...

Não podia estar mais de acordo contigo meu caro: há lá coisa melhor que os jogos de charme e sedução?

PS: cheira-me que conheço um dos items dessa lista... LOOOOOOOOOOOL

FOXX disse...

NOSSA SENHORA!

acho que é a única coisa a comentar...


ou posso fazer uma piadinha?

Isso é um latifundio! Reforma agrária no OZ já!




ps: Obrigado pelos elogios no blog. Vindos de vc, valem em dobro.

Edu e Mau disse...

vixe, tá explicado o sumiço!

Râzi disse...

ah, eu apostaria tudo no menininho novinho!

E vc bem o sabe o porque te dito isso!!!hauhauhauahauahauahuahuh!

Ainda mais com essas características!!! Vai logo, mas com calma!!!

Beijão, meu amigo fofo!

Latinha disse...

Bom... nem preciso dizer muita coisa que você já bem sabe o que eu penso! ehehe

Mas enfim... "Investigador"? interessante... ehehe, bem sabes que eu nem gosto de um mistério! ehehe

Mas enfim, a única pergunta que não quer calar... teve lasagna por ai?!
ehehehe

Abração meu amigo... e tem post novo (de novo!). ;-)

(Em tempo, está tudo bem...)

pinguim disse...

"O jogo" é fascinante, sem dúvida, mas eu seria incapaz de trazer em combustão lenta tanta gente ao mesmo tempo. Noutros tempos, "jogava" com um parceiro, talvez dois, em simultâneo, até chegar ao sexo; depois tirava conclusões, que tanto poderiam ir até à aventura, ou ficar logo por ali; claro, que nalguns casos não era preciso a prova do sexo, para o "desquite" ser rápido. Aventuras tive algumas na vida, umas deixaram boas recordações, outras já nem as recordo; três deram em relacionamento mais ou menos duradouro, mas relações mesmo, apenas três, a actual e duas passadas, que a meu ver ainda não acabaram, pois só o sexo findou mesmo; o resto que ficou, é mais que Amizade...Mas eu sou doutra idade e doutra época, amigo Oz, e não sei já, como são essas coisas, com as disponibilidades que hoje há; antes, tudo começava com um contacto real, visual e isso facilitava muito, embora não pareça...
Abraço.

Marco disse...

Gajo, quanta variedade, heim?
Quase não te reconheço...
Hehehehe.
Bom saber que há tantas peças no seu tabuleiro. Apenas tenha cuidados com os movimentos. E boa sorte!

Maurice disse...

Parece-me que o teu problema é teres muito por onde escolher!...:) A pressão da quantidade tende à desvalorização da qualidade... eheheh
Numa coisa estou de acordo: quecas descartáveis, vá que não vá; pessoas descartáveis... decididamente não.

Abraço

Anónimo disse...

"Gajo, adorava foder contigo".

Uillow disse...

Oz! Vejo que está "a chover na tua horta", hein! É bom conhecer bastante gente, meu caro... mesmo que não role nada, tu faz contatos, e daí quem sabe num desses contatos algo não apareça, hum? :¬)

Toda a sorte do mundo pra ti, gajo!

PS: adorei o termo "queca"! Vou começar a utilizá-lo! HUAHAUH!

confissoesaesmo disse...

Chega a ser divertido ler todos esses esteriótipos que todos conhecemos de outras histórias.
Pena que é vida real.
Bjo

Pedro disse...

Olá OZ, sou amigo do Ricardo e do marco, o carinha do blog, com quem sai esse fim de semana e falou muito bem de vc e do blog, passei aqui pra conhecer e já gostei...

Vc anda disputado ein, vários tipos, quase uma plateleira de supermercado pra escolher, queria eu estar metido nesse tipo de confusão heheheh...

Há, e adorei a expressão "acontece que eu gosto ... de jogos de salão"

Abraço!

Goiano disse...

amor
q lista grande
quero ja fazer listas tbm
kkkkkkkkk