31.12.08

08.Oz.09

by Joe Oppedisano


Coming out of my cage

And I've been doing just fine

Gotta gotta be down

Because I want it all

It started out with a kiss

How did it end up like this?

It was only a kiss

It was only a kiss

(Mr. Brightside, The Killers)



Irrita-me sobremaneira o ritual das 12 passas de uva engolidas à pressa. Aliás, vou mesmo mais longe ao assumir que a ideia de Réveillon, per si, quase não me faz cócegas. Não é que me seja totalmente indiferente, mas a sensação com que fico é que, tal como as passas engolidas à pressa, este é um ritual de passagem particularmente artificial.
De toda a forma, este é, queira eu ou não, goste eu ou não, um momento de reflexão; com a vida em suspenso, assim me parece, dei por mim a deitar contas à dita e a chegar a algumas conclusões interessantes.
Desde já aviso: valem o que valem. Não são, nem quero que sejam, verdades absolutas. Têm prazo de validade e prestam-se a ser contrariadas. Ao fim e ao cabo, mais do que ressacas e doses homéricas de boa disposição impingida, quando não mesmo simulada, o conceito de Réveillon serve, valha-nos ao menos isso, para manter acesa a ilusão de que nos é sempre possível recomeçar, emendar a mão, corrigir a trajectória. E essa ideia agrada-me.
Vamos então para 2009 e quem for o último da fila, por favor, que feche a porta.

1. Preciso ser mais caloroso com os meus amigos. Aliás, preciso ser mais caloroso de uma forma geral, o que não quer de todo dizer que vá andar por ai a distribuir beijos e abraços a torto e a direito. Apenas constatei que há coisas que precisam ser ditas e não apenas demonstradas.

2. Preciso controlar os acessos de raiva. Não me fica bem perder a calma, já para não falar no aprumo e na compostura. Contar até dez ou respirar fundo antes de explodir são receitas antigas que ainda funcionam. Permitir-me-ei, de quando em vez, e só para não perder a graça e o charme, uma ou outra birra, um ou outro amuo.

3. Preciso dar ordem às coisas. Rejeitei o amante, mas esforço-me para conservar o amigo... faz realmente sentido? Os fins justificam os meios, ao ponto de andar a "cozinhar em lume brando" alguém que ainda não percebi se quero como amigo ou como amante? Vale a pena continuar a insistir na ideia do amante, só para não morrer estúpido, ou teria mais juízo se me ficasse, de uma vez por todas, com o amigo? O que me leva a não colocar um ponto final numa situação que está, ao que tudo indica, para lá dos meus limites?

4. Não preciso de resposta para tudo. Da mesma forma que nunca me senti inteiramente hetero, é bastante provável que nunca me venha a sentir um gay de corpo inteiro. Não é uma questão de proporção. Não dá para quantificar ou medir. Mas não é um drama. Não é uma fatalidade. Tão pouco é uma maldição. A vida não é a preto e branco e eu tenho de aprender a viver com as (minhas) nuances.

5. Preciso ser mais objectivo. Rala-me o preconceito dos outros, mas ainda lhe estou imune porque, na verdade, em vez de me colocar na pele dos visados, eu mantenho-me a uma distância segura e tudo observo de fora. Logo, o preconceito é também meu.

6. Não preciso de aprovação, mas quero respeito. A minha "luta" nunca passará por os outros me aceitarem ou não como sou. Não preciso de aprovação; precisarei que me respeitem, antes de tudo mais, para que, de futuro, não venha a sentir-me forçado a justificar ou a fazer da minha sexualidade um rótulo.

7. Preciso dar a mão à palmatória. Ao contrário do que sempre imaginei, as probabilidades de me vir a envolver - pelo menos nos tempos mais próximos - com tipos da minha idade são ínfimas. Demorou, mas percebi que jogamos em campeonatos distintos.

8. Não preciso de fag hags no meu eixo de gravitação. Tenho uma relação bastante cúmplice com as mulheres da minha vida. Gosto de as ter por perto e de as ouvir. Gosto de saber que, mais do que confiarem apenas em mim, confiam no meu discernimento. Mas que nenhuma delas, no dia em que a minha sexualidade deixar de ser nebulosa, caia no supremo disparate de querer fazer de mim uma alcoviteira ou o seu "homem de mão". Trocar cromos (figurinhas, para quem não sabe o que são cromos) de marmanjos ou galar o galalau na mesa ao lado não fazem, definitivamente, parte das coisas que quero partilhar com elas.

9. Preciso ganhar mais dinheiro. Até sei viver sem ele, mas a minha vida fica tão mais divertida quando não tenho de andar a equilibrar-me no arame. Não ligo a dinheiro, mas ligo muito a tudo de bom que ele compra e me proporciona. I'm a material boy, mas o meu interior também é bonito. Podem espreitar.

10. Não preciso de yesmen nem de gueixas. Há quem goste de ter alguém a seus pés e pronto a dizer que sim a tudo e a reclinar-se ao menor estalar de dedos. Não é para mim. Gosto de quem me dá luta. De quem me desafia. De quem, em doses saudáveis, mantém uma certa dose de perversidade e imprevisibilidade. Gosto de encurralar o adversário na parede, mas também aprecio um igual que, na luta corpo a corpo, me saiba tirar o tapete. Uma mão lava a outra e as duas juntas formam um braço de ferro.

15 comentários:

Goiano disse...

eu devo dizer que vc foi um presente de 2008 e é um desejo de 2009!
huauhauh
entendeu ne

bjos e muita luz p vc amor

heMan disse...

gostei muito do teu texto, há muito aqui do que também foi o meu ano e do que procuro em todos eles. obrigado e bom ano.

Paulo disse...

gosto da ideia de remendar a mão! só tenho pena de não conseguir fazer listas e ilustrar ideias assim bem. mas venha lá o novo ano!
boas entradas em 2009! e sem ser preciso dar a mão à palmatórias



abraços nossos

Uillow disse...

E aí estão as resoluções pro ano novo do caríssimo Oz, nosso amigo luso.
Sabe que eu te desejo tudo de bom, né? E no próximo ano não será diferente, caríssimo!

Um abraço e boa passagem de ano! :¬)

Edu e Mau disse...

Que bonito o Paulo já escrevendo "ideias" :-)

Gosto do feriado, não nego (e o contato daqui a um ano se refere a Kubrick, hehe), mas nada muuuuito ritualístico.

Contudo, na dúvida, lá vamos nós comer lentilhas (e arroz, salada e "cordon bleau" da Perdigão) e, depois do banho, minha cuequinha amarela. Porque eu também gosto de certos confortos...

P.S.: Merda, não ganhei na última "megassena" do ano... Será que ganho na primeira??

BEIJO, meu amigão! Também lhe temos em nossos corações - de verdade!

Marco disse...

Desejo a você um 2009 cheio de conquistas, amigo. Em todos os sentidos. Bjs.

No Limite do Oceano disse...

Uma das coisas que me fez gostar do texto é a forma como em 10 desejos há uma espécie de introspecção da tua parte. E por vezes quando deparo-me em blogs com essa “frontalidade” fico a pensar porque razão não consigo fazer o mesmo. Não custa nada, é abrir os cordões da bolsa do que sentimos mas cada um é como é, e já diziam que cada cabeça sua sentença.

Um bom ano!

*Hugs n’ smiles*
Carlos

pinguim disse...

É não só uma introspecção, como e essencialmente uma introspecção critica, mas mantendo intacta a tua personalidade; o ser humano tem esse maravilhoso dom de tudo mudar, deixando quase tudo inalterado...
Abraço.

Latinha disse...

Meu amigo,

Navegar é preciso! ;-)

Que possa ter um belo ano, dando muitos passos na direção de tudo o que desejas!!!

Um feliz 2009 para você!

HAIRYBEARS disse...

(^.^)

HAPPY NEW YEAR

FELIZ ANO NOVO

FELIZ AÑO NUEVO

HAIRYBEARS
http://hairybears.blogspot.com/

André Benjamim disse...

um feliz 2009!

heMan disse...

pois volta sempre, até porque já sou assíduo do teu há algum tempo! só gostava que escrevesses com mais frequência, porque és sempre certeiro :)

um GRANDE 2009!

Râzi disse...

Meu amor, eu quero essa parte de ser mais caloroso com os amigos!!hauhauahauahauah!

Brincadeira, meu anjo! Amei conhecer vc e vou te dizer, vc é caloroso! Tá certo que poderia largar um pouco seu ar europeu, mas caramba, vc é europeu!@ Não tem sentido querer que vc seja tupiniquim!!!

Meu amado amigo, que saudades de nossas conversas! Tenho tantas coisas a te contar... poucas sobre mim, mas muitas sobre nosso amigo!!!nuauhuauahauhauah!

Beijão, lindo!

FOXX disse...

eu já acreditei mais em anos novos (esse plural existe?), mas de qualquer forma é sempre bom criar objetivos para tornar-se melhor né?

FOXX disse...

respondendo sua pergunta: sim, minha novela mexicana se passou alguns anos atrás, 2004