19.11.07

Entre Dorian Gray e Peter Pan


It’s so hard to get old without a cause
I don’t want to perish like a fading horse
Youth is like diamonds in the sun
And diamonds are forever
(Forever Young, Alphaville)


Sábado. Chego atrasado ao almoço com L., marcado para as 13. É o primeiro dia realmente frio deste Outono, o que me deixa disposto. Gosto de dias frios e de roupa quente. A cafetaria do CCB está composta, mas ninguém parece ter muita pressa em despachar-se. Ainda bem. Apesar do sol tímido, não arriscamos a esplanada e instalamo-nos na sala junto a um casal de meia-idade, que prefere a leitura dos respectivos jornais e revistas de fim-de-semana à conversa um com outro. Pelo contrário, eu e L., que não nos vemos há um bom tempo, aproveitamos para, entre garfadas, colocar a “escrita em dia”. Por mais de uma vez, as nossas tiradas são a única coisa que leva o casal da mesa ao lado a despregar os olhos do que está a fazer e a partilhar um franzir de sobrolho. Longe de ficarmos desconcertados, divertimo-nos com a sua desaprovação.

Como L. tem uma festa de aniversário nessa mesma noite e precisa comprar um presente, aceito a sua boleia até ao Chiado. Pelo caminho, conto-lhe o “enxovalho” por que passei recentemente: numa noite de copos com vários colegas de profissão, trai-me e falei do Jamaica. É bom dizê-lo, há mais de dez anos que não ponho ali os pés ― nem ali, nem nos seus vizinhos, também meus velhos conhecidos, Tóquio ou Copenhagen ―, mas ficará sempre associado a um período muito especial da minha vida.
Pelos vistos, e a avaliar pela chacota geral que se instalou assim que proferi o nome “maldito”, o Jamaica que tanto nos atraia, a mim e ao meu grupo de amigos de então, pela boa música que passava e pela sua impagável allure decadente (reunindo no mesmo porão fumarento, universitários, putas tristes e a escória das docas de Lisboa), não passa hoje de uma sombra de si mesmo ― perdeu a aura para passar a ser só, e ponto, decadente. O golpe de misericórdia é-me dado por L., com uns bons anos a menos do que eu, que me confirma o veredicto: o Jamaica está, definitivamente, out na noite lisboeta.

Resignado, mas não derrotado ― afinal, nada apaga as madrugadas em que saí dali com a roupa colada ao corpo depois de tanto dançar numa pista à cunha ―, desço, ainda na companhia de L., a Rua Garrett, por esta altura inundada de gente tomada pelo espírito pré-natalício. De repente, esbarro com um rosto que se abre de espanto na minha direcção. Levo uma fracção de segundos a reconhecer aquela cara a que falta qualquer coisa de familiar, mas aqueles olhos pestanudos gigantes, e muito arregalados, não enganam. Passaram-se não sei quantos anos desde que a vi pela última vez, mas nunca lhe perdi o rasto por completo.
Nem de propósito, E. fazia parte do meu grupo de amigos que frequentava (e gostava) o Jamaica. Está no segundo casamento, no primeiro filho, começou uma nova vida a sul e, reparo finalmente no que faltava, a sua outrora exuberante e farfalhuda cabeleira negra foi totalmente domada para dar lugar a um ruivo pardo. Diz-me que o marido não gosta de cabelos compridos e que ela, entretanto, também se cansou... Não a noto muito convencida.
Na energia, porém, mantém-se inalterada: fala pelos cotovelos, mete-se com L. e não perde tempo a sacar da carteira para nos mostrar fotos da (nova) família. Sinto-a feliz, mas demoro a acostumar-me à miúda namoradeira de antes agora na pele da mulher dedicada que vai para as compras com as amigas para fazer tempo enquanto o marido dela e os das outras se entretêm numa partida de golfe… Às tantas, atira-me: “Estás igualzinho!!!” Sei que é um elogio sincero, mas fico na dúvida quanto ao seu real significado. Quererá dizer que estagnei no tempo, que não amadureci e não formei família como era suposto (logo continuo solteiro, sem filhos, a frequentar porões fumarentos em vez de campos de golfe, a não poupar e em plena crise de identidade sexual)? Ou quererá apenas dizer que, por fora pelo menos, os anos ainda me pesam pouco (talvez porque continuo solteiro, sem filhos, a frequentar porões fumarentos em vez de campos de golfe, a não poupar e em plena crise de identidade sexual)?
Pensando bem, não interessa. Provavelmente, eu represento a vida que ela já teve e ela representa a vida que eu muito dificilmente terei algum dia. Mas, na vida, todos sabemos, ganhamos umas coisas e perdemos outras. Só lamento ter-me esquecido de lhe perguntar se tem saudades do Jamaica…

13 comentários:

pinguim disse...

Gostei do título e aplica-se ao texto, mas as duas histórias que cruzas (das noites jamaicanas e do encontro com a amiga de há muito? há um certo sabor a evolução de ambos os lados, e de sinais bastante contrários; prefiro abertamente a tua "evolução na continuidade"...
Abraço.

Ricardo disse...

Meu Padeiro!!!

Estou enganodo ou estamos as voltas com crises de idade???

Hauahauaahauahauhauahauhauah!

Meu lindo, vc é um charme, um pão! Não tem que se preocupar com isso!
:D

E me diga.. só pra mim... quem é L? É quem eu pensou?? Apesar de que, não acredito que fosse disfaçar até mesmo a letra!

Beijão!

edu disse...

Por aqui tem feriado regado a xixi de anjo: chove sem parar! Não vou me convidar a ir pro Jamaica contigo porque sou "sonífero": gosto de cama. Mas nessa de café e livros eu tô dentro! Beijo!

Ricardo disse...

Não agradeça, meu lindo!

Se tem um coisa que eu preservo é a privacidade! Tanto a minha quanto das pessoas de quem eu gosto! E vc é uma delas! Bom... eu preservo até de gente que não merece!! haahuahuahau! Porque não faria isso com vc, que é um pão doce de pessoa??

;D

Beijão!

Manuel Braga Serrano disse...

Gostei sobretudo do remate do texto. Perfeito!

Menino G disse...

Querido,você tá ficando por demais sério, diria até burocrático. O que é isso?
Teoria demais enche o saco, prefiro um mundo de fantasia. Um mundo de OZ.

E quanto a caras de 40 levando vidas de pessoas de 20 é deprimente.

Beijos!!!!

Oz disse...

Menino G, como se diz por cá, acho que alguém ai acordou hoje com os pés de fora... De mal com a vida? Espero que não, afinal és muito novo para isso.

Trintinha disse...

Gatooooo! blz? que dupla vc escolheu para estar no meio, hein? Peter Pan e Dorian Gray? HUMMMM....
Beijos, gato sumido!

Maurice disse...

É um fenómeno que, sendo natural e expectável, me surpreende muitas vezes: encontrar gente que comigo frequentou os "Jamaicas" da minha vida, a quem perdi o rasto e volto a descobrir tranformados, diferentes, como se as pessoas que eu conhecera tivessem ficado retidos para sempre nesses recantos fora de moda...

Abraço

Alberto Pereira Jr. disse...

mudar a vida pode ser tanto para o bem ou para o mal, não se sinta menor por não ter realizado grandes mudanças em sua vida.. basta que a sua vida esteja de acordo com o que vc sente.. então tudo estará bem

Will disse...

O cabelo curto até nem lhe ficava muito mal, lol

Megafashionist disse...

Prefiro o Peter, mas conversar horas com amigos que não vemos há tempos, é muito bom...!!!!

Megafashionist disse...

O blog megafashionist participará da disputa mais emocionante do ano ... seguindo tendências e mostrando a que veio em uma única foto pra lá de sensual...

E ae vai acompanhar o NBTSB - Next Brazil Top Sexy Blogger... ?

Dia 26/11