26.8.08

Esperando aviões - Parte III

O "meu" voo SP-BH prestes a decolar de Congonhas. By Latinha

I find you in the morning
After dreams of distant signs
You pour yourself over me
Like the sun through the blinds
You lift me up
And get me out
Keep me walking
But never shout
Hold the secret close
I hear you say

(Cuts You Up, Peter Murphy)



Salto da cama ao toque do despertador, sem delongas e sem dar sequer tempo ao corpo de fazer manha. Ainda assim, Latinha faz-se anunciar antes do que previa ― por um triz, escapo à suprema vergonha de ser surpreendido de cabelo em pé, amarfanhado e a cheirar a ontem. Abro a porta. Aquele rosto, de sorriso escancarado, é-me extraordinariamente familiar, por mais que esta seja a primeira vez que estejamos, para valer, frente a frente.
Noutros tempos, é bem provável que eu e o Latinha trocássemos longas cartas, que demorariam semanas (quiçá meses) para chegar aos seus respectivos destinos, e nos tratássemos por “meu muy estimado amigo”. De certa forma, parece-me, há qualquer coisa nas nossas condutas e posturas que nos faz continuar a sentir, não raras vezes, como ovelhas tresmalhadas entre pares ― e foi isso, mais até do que a feliz coincidência de escolhermos o mundo de Oz e a estrada de tijolos como analogia para uma nova fase das nossas vidas, que nos aproximou ― e a sentirmo-nos fora de contexto, ou, em outras palavras, lost in translation.

Ironia ou não, o facto é que foram, precisamente, as novas ferramentas do mundo moderno a permitir que, no espaço de um ano e pouco, nos tornássemos amigos e, até certo ponto, confidentes. Por isso, naquela manhã parda de uma São Paulo a prometer (finalmente) chuva, dei-lhe um abraço, puxei-o para dentro e tratei de o instalar, dispensando maiores cerimónias, numa cadeira enquanto me continuei a barbear. Latinha saíra ainda de madrugada da sua cidade, mas não acusava o menor vestígio de cansaço. Pelo contrário, mostrava-se ansioso em retomar a conversa no ponto onde havíamos parado dias antes. E foi o que fizemos. Não mais por MSN, por e-mail, por Skype ou até de webcam ligada, mas como dois antigos roomates que se reencontram. A grande diferença foi que desta vez, para variar, não tivemos nem um Atlântico, nem um fuso ingrato de cinco horas a separar-nos.

Alguém se lembra de Os amigos de Alex (The Big Chill no original)? Este filme de Lawrence Kasdan marca-me até hoje. E, por curioso ou inusitado que vos possa parecer aqui a referência, o certo é que a minha passagem por São Paulo, que serviu de pretexto para estar com o Latinha, teve ainda um outro efeito colateral que me trouxe à memória esse filme. No estranho (e fabuloso também) mundo à parte dos blogues estabelecem-se afinidades e ligações que desafiam a lógica. Quando me iniciei em A Metamorfose de Oz, não tinha de todo a intenção de fazer amigos; muito menos de me dar a conhecer. Só que a vida troca-nos as voltas e, sem que me desse conta, fui quebrando, uma a uma, várias regras que me tinha imposto.
Além do Latinha, o Edu foi outra das pessoas que me "obrigou" a reconsiderar a minha postura e a baixar as defesas. O meu contacto com Edu extra-blogue é limitado, para não dizer mesmo escasso, ainda assim ele soube conquistar um espaço entre os meus afectos pelo seu humor certeiro, pela forma como encara a vida, pelos seus valores e, muito importante, como, de uma maneira ou de outra, ele arranja sempre maneira de se fazer presente. Latinha e eu brincamos que Edu é uma espécie de guru para nós, pois durante muito tempo fomos (e ainda somos, até certo ponto) os dois “gays” mais teóricos até onde a vista alcança nesta vasta blogosfera.
Na realidade, eu não sou muito de pedir conselhos, mas gosto de observar (mesmo que a uma distância segura). Edu, juntamente com Ricardo ― ora ai está outra figura-chave, já falei dele antes; ao contrário de Edu, não chega de mansinho, pois entrou de rompante na minha vida, soube antes de mim que íamos ser amigos e não esmoreceu quando me mostrei, tantas vezes, esquivo e arredio; hoje, além de um querido amigo, é também alguém que me ensina a não ser tão definitivo nas minhas apreciações ―, é quem está mais próximo de mim na faixa etária, mas olho para ele, e para a relação cúmplice e equilibrada de quase 9 anos que tem vindo a construir com o M. (aka Bichinho ou Mau-Mau), e não deixo de me sentir um quase “adolescente tardio”.
Excelente a tarde e noite que passámos juntos: Edu e M. vieram-nos buscar ao nosso hotel na Paulista e levaram-nos a passear pela “sua” São Paulo mais a norte. Fomos dos primeiros a visitar a casa nova, a experimentar as poltronas acabadas de estrear e a partilhar o leito da cama super king size (nada de pensamentos impuros, que só estivemos sentados à conversa e a troçar do ar desconfiado do vizinho da frente…). Fomos também voluntários na importante missão de testar a qualidade das pizzas locais.

Na manhã seguinte, eu e Latinha fizemo-nos à estrada. À nossa espera, em Campinas, tínhamos Z., amiga do Latinha há uns bons anos, uma daquelas pessoas que nos conquista desde o primeiro momento. Além de nos abrir as portas da sua casa por uma noite, Z. foi uma anfitriã que me guiou, apesar do tempo chuvoso, por lugares da sua cidade como a feira dominical de artesanato, o Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim ou o restaurante Bráz. Mas, mais até do que isso, o que me cativou mesmo foi a sua disponibilidade para a vida, o seu olhar arguto e a sua mentalidade transversal. Falámos das nossas sexualidades sem tabus e sem falsos pudores. Rimos, brincámos e levei, pela primeira vez, eu acho, a sério alguém que me aconselhou a enfrentar o divã do psicanalista.

Até agora, só tenho falado dos encontros que aconteceram durante esta viagem, mas também houve desencontros. O primeiro deles ocorreu com o Jackson, que, na última chamada, não se deu. Já combinámos que ficará para uma próxima. O segundo foi com alguém que insiste em não sair da minha vida, mas que, nos momentos cruciais, não se comporta como um amigo, o que dirá de quem se diz com pretensões a ser muito mais do que isso. O terceiro, para ser justo, não chegou a ser bem um desencontro, pois, vendo a frio, só eu ponderei seriamente a ideia de um encontro. Não é muito do meu feitio correr riscos, sobretudo quando há luzes encarnadas a piscar e já fui avisado, mais do que uma vez até, a não tomar aquele atalho.
Ainda assim, trocámos várias mensagens telefónicas durante quase toda a minha estada no Brasil. É um jogo sem fim à vista, para já. Há afecto (e cumplicidade até onde ele deixa e eu estou disposto a ir), mas uma coisa chamada tesão impede-nos de sermos só amigos ― e seria, acreditem, muito mais fácil (e sensato) para os dois se nos ficássemos pela amizade. Mas não dá. Já tentei ser uma espécie de irmão mais velho, de me ficar pelo papel seguro de quem vê de fora, mas, a dado momento, a coisa resvala sempre para uma tensão que pede cama. Pergunto-me agora se algum dia ele terá maturidade, coragem e foco para sair da toca do lobo e se mostrar de corpo inteiro, despido de artifícios e ciente de que a paixão, como a vida, terá sempre o seu quê de impoderável.

Por fim, e após um breve retorno a Belo Horizonte, regresso a casa com muitos mais quilos na mala ― entre outras coisas, não resisto a trazer vários pares de sapatos e ténis. Em compensação, estou mais magro. Não suficientemente magro, mas já naquele ponto em que a minha mãe vai olhar, desconfiada, para o fundo das minhas calças e achá-lo com pano a sobrar... Mas, coração de mãe, é sabido, fraqueja; o mesmo já não posso dizer, infelizmente, dos Aussiebum e dos Blueman guardados na gaveta, que não enganam nem fazem favores. Santa futilidade, dirão alguns. Não se apoquentem. Esta viagem deu-me tempo de sobra para (re)pensar algumas coisas. Ainda não sou o homem que gostaria de ser, mas também já não sou mais o Homem que era ontem. Sei por onde vou, só não sei quando vou lá chegar.

Fim

13 comentários:

Latinha disse...

Oz!!!

Meu amigo... foi um prazer recebe-lo, e principalmente encontrá-lo. E quando digo isso, me referi à epoca da "Metamorfose"... você bem sabe e a gente já conversou bastante. Como diria Z, as pessoas chegam na nossa vida das mais variadas forams, mas ficam aquelas que conquistam um lugar... ;-) O resto vc sabe!

E foi muita gentileza tua não mencionar que eu falo dormindo AHUAHUAHUAHAU

Grande abraço!

pinguim disse...

Esta trilogia brasileira vem mostrar acima de tudo algo, que eu próprio já havia sentido, e que é a possibilidade de, através dos blogs, e com outros desenvolvimentos (mails, MSN,telefone e encontros de circunstância),fazer amigos; passar da amizade virtual, relativamente fácil, para a amizade real, que vai além do mero conhecimento "simpático", já é um passo mais restrito, mas ainda assim, vulgar, desde que as pessoas, usando uma expressão habitual tua, "baixem as defesas".
É sempre um processo gradual, mas que tem na ferramenta "blog" um instrumento precioso, pois nele escrevemos não para A, B ou C, mas para toda a gente, e assim, os nossos pontos de vista são muito mais verdadeiros; afloras ainda neste post algo que eu nunca senti, mas que potencialmente poderá existir e que é o uso do blog para conquistar sexualmente outra pessoa; não me parece que seja muito habitual e penso que haverá outros meios, muito mais vocacionados para isso; mas existem casos de pessoas que através dos blogs e sem que o tivessem pretendido, de inicio, acabam por veícular casos sentimentais ou mesmo de interesse sexual, penso que a maior parte das vezes, apenas unilateral.
Mas que é fascinante a blogosfera em todos os sentidos, é uma verdade; e que o campo da amizade é dos mais marcantes também. Daí a conclusão lógica do teu enriquecimento pessoal após esta viagem ao Brasil.
Abraço.

Edu disse...

Ontem mesmo eu estava relendo os primeiros escritos do Metamorfose e constatando o quanto você progrediu em tão pouco tempo! :-) Você e Latinha falam em "guru" mas sou eu que humildemente aprendo com os dois. Claro que nosso contato é escasso - vocês não dormem!! - mas é de coração e adoro quando ele acontece. Seja sempre muito bem-vindo e sem qualquer cerimônia pode se entocar com a gente, ou não, e usar/abusar à vontade! Vocês dois têm passe absolutamente livre na minha vida!

Edu disse...

Estamos nos visitando ao mesmo tempo, é? :-) Fica escondido no msn aí não consigo dar "oi"! :-)

Beijo!

Râzi disse...

Não gostasse tanto do latinha e estivesse começando a conhece e gostar muito do Edu, me entregaria ao ciúme!!!

AHauahuhuahauhauahauhau!

Meu querido, que bom que sua viagem foi boa!

Hum... mas ainda acho que o senhor deu mais bola pra etapa paulista... mas tudo bem...

E depois, queria conversar com o senhor sobre um detalhe... e confirmar uma coisa! ahuahuahauah!

Beijão!

Tarco Rosa disse...

Bela homenagem aos amigos!
Seus posts são sempre uma delícia. Simples, cotidianos, prosaicos, humanos.
Abraço

Davidoff disse...

Descobri o teu espaço por um acaso e a qualidade e fluidez da prosa ajudou a que eu ficasse fã!abraço
davidoff

confissoesaesmo disse...

Eu viajei no seu relato.
Parecia uma das pessoas a quem se referiu.
Fora que já 'conheço' o Latinha e o Edu virtualmente e gosto demais de ambos.

Ah, olha q legal: semana que vem vou pra BH.
Passar uma semana na casa do meu melhor amigo que tá morando aí.

Bjão

Special K disse...

E foi o fim da aventura brasileira.
A blogosfera é outra aventura onde se fazem muitos amigos.
Um abraço

Ronaldo disse...

Oi!!

Gostei do post. Matou a saudade do Brasil?

Ps* Sabia? Tenho vc no meu MSN, mas nunca te vejo on... Mas blz.

Abraços!

Jackson Jr. disse...

ok, quando nosso encontro vingar quero um post exclusivo.

e aos outros bloggers: não é de minha índole desmarcar nada. coisas do destino...

beijos!

Ludo disse...

Puts... o post-fim da tua viagem me fez divagar por tantos rumos distintos...
A blogosfera me ajudou bastante a me reencontrar, sobretudo porque encontrei nela sonhos, angústias, desejos, anseios, expectativas (e tantos outros sentimentos) que me fizeram perceber que não estou só no mundo. E, mais ainda, encontrar pessoas tão fantásticas como você, Ricardo, Lê, Thread e Sr. X (uma exclamação a mais para esse!) cá no mundo real me fez perceber que não há dois mundos (um virtual e um real). Há fronteiras, sim. Mas não há limites intransponíveis.
E ilimitável também é a nossa capacidade de metamorfosearmos-nos sempre: a cada viagem, a cada dia, a cada encontro e a cada desencontro. Se a vida tivesse, de fato, começo, meio e fim, não haveria muito o que buscarmos, não? Seria um ciclo fechado, fadado ao término conclusivo. Mas não: é a vida um grande compilado de intervalos (ou momentos), repletos de possibilidades, como este pequeno intervalo o qual deu-nos o prazer de apreciar o relato dividido em três partes!
Por fim, meu caro (antes que este comentário se extenda mais do que seu próprio post!), espero que tua pista não fique vazia. Que não receba inúmeras aeronaves, mesmo comportando-as perfeitamente bem, mas que nela pouse uma aeronave especial, que possa taxiar sem muitos perigos...! Ah! E espero também que não deixe seu diário ficar velho, jogado na areia: permita-nos saborear tuas histórias sempre!
Um forte abraço!

Paulo disse...

grande viagem, cheia de experiências e a prova de como percorremos caminhos inesperados e eles nos fazem evoluir.