31.8.08

Au fil des jours

River Phoenix e Keanu Reeves em My Own Private Idaho


I don't care if Monday's black
Tuesday, Wednesday - heart attack
Thursday, never looking back
It's Friday, I'm in love

Monday, you can hold your head
Tuesday, Wednesday stay in bed
Or Thursday - watch the walls instead
It's Friday, I'm in love

Saturday, wait
And Sunday always comes too late
But Friday, never hesitate...
(Friday I'm in Love, The Cure)




Pela boca morre o peixe. Nunca dizer nunca, não vá o Diabo tecê-las, tornou-se uma espécie de postulado dos nossos dias, uma superstição - lagarto, lagarto, que o Diabo seja cego, surdo e mudo - a que nem os descrentes escapam incólumes. Ninguém quer morrer pela boca. Ninguém quer ser apanhado em flagrante negação. Não sendo eu a excepção que desdiz a regra, sexta-feira passada caí em contradição. Fi-lo por impulso, mas suficientemente consciente para não me agarrar à primeira desculpa esfarrapada. Fi-lo porque cheguei ao chamado ponto do não retorno, e entre dar o dito pelo não dito ou deixar alguém de quem gosto na mão, eu posso até hesitar, mas não vacilo. Fi-lo não porque a isso me levaram, mas porque a isso eu deixei que me levassem. Porque na vida, cedo ou tarde, de um jeito ou de outro, todos nós somos postos à prova. E é ai que deixa de ser apenas uma questão de saber viver com as nossas escolhas para passar a ser também uma questão de aprender a viver com as implicações dos nossos actos. Podemos teimar em viver pelas regras que a nós mesmos impusemos. Ou não. Na sexta-feira passada caí em contradição. Mas sou Homem o bastante para não fazer disso uma excepção. Desdizer-me-ei tantas quantas as vezes em que me permitir a liberdade de voltar atrás. Entre uma página imaculada, sem borrões, e uma página reescrita, com emendas e rasuras, agarro a última. Há erros grosseiros que se evitam. Mas há outros que só o são se assim os entendermos. Sexta-feira passada não caí em contradição. Tão-só não permiti que o medo de errar me impedisse de viver o momento.

14 comentários:

Latinha disse...

" Formulamos conceitos com facilidade e nos fechamos neles certos de que são verdadeiros. Ai, um dia, de repente, percebemos que eles nos limitaram e que além deles há outras coisas, outros valores não considerados que poderiam modificar tudo, criando novas e melhores opções."

Ah! essas contradições da vida...

;-) Abração!

pinguim disse...

Seja o que fôr o que aconteceu, tenho a certeza que não entraste em contradição, na última sexta feira, pois reconheces que algo foi diferente, não de acordo com a tua imagem ou com a imagem que estás habituado a mostrar; só o facto de o reconheceres tira-lhe toda a eventual carga contraditória...
Abraço.

Edu disse...

Esse pingüim é tão filosófico, né? :-) Uau...

Às vezes é "estimulante estimular" a dúvida. :-)

Kokas disse...

"Fracotes" são todos aqueles que não duvidam das suas forças!

Aquele abraço!

Ludo disse...

"A hora do sim é o descuido do não", profetizou Vinícius de Morais...
Sabes... eu tenho muito receio de dizer "nunca"... morri pela boca tantas vezes... e não suporto quando caio em minhas próprias contradições. E foi por este motivo que caí em tamanha tristeza no início do último mês...
MAS, agora já passou e eu percebo o quanto foi valioso ter me permitido ao erro, novamente.
A gente aprende!!!

Râzi disse...

Gente... tantos falando coisas tão belas, citando pessoas tão cultas, que eu estou me sentido inibido...

AAhauahau! Até aprece!

Meu amor, tu andou descendo o barraco com alguém, é????

E pelo visto, nem se arrependeu tanto!

Estou com saudades de vc! E já tenho duas coisa pra te interrogar! ahauhauahauhua!

Acho que vc me bloqueou!!

Beijão!

Davidoff disse...

Temos essas frases lapidares em portugues...esses lugares comuns que tão comummente proferimos. De qualquer modo, podes ter caído em contradição, mas sobretudo há que valorizar a tua atitude de a assumir e não te teres agarrado "à primeira desculpa esfarrapada"!
Abraço
Davidoff

Special K disse...

Será assim tão grave essa contradição? Como diz o pinguim, o facto de a reconheceres torna-a mais aceitável.
Um abraço

Capitão Abobrinha disse...

Feliz é o homem que é capaz de voltar atrás em seus postulados e certezas.

Além de um ato de indiscutível grandeza, num mundo tão complexo e múltiplo e paradoxalmente tão intolerante, esse tipo de flexibilidade parece ser sempre muito bem-vindo.

Abraços!
=D

Paulo disse...

há contradições que nos tornam ainda mais particulares, tão nossas que se não existissem não éramos nós. fazem parte do pacote. portanto, sabendo-o, é só aproveitar esse auto-conhecimento para não deixar o peixe morder o anzol.

Tarco Rosa disse...

Valeu, OZ, obrigado pela visita.
Um grande abraço

Will disse...

Eu então, meu caro, tenho morrido pela boca cá de uma maneira... e sabes que mais? Morrer pela boca não mata ninguém!

Goiano disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ronaldo disse...

Contraditório ou não, fez o que teve vontade... não se martirize.

Nada é contraditório quando temos vontade.

Até mais