4.9.08

Romeo's blues


Well, you can fall for chains of silver, you can fall for chains of gold
You can fall for pretty strangers and the promises they hold
You promised me everything, you promised me thick and thin
Now you just say, "Oh, Romeo, yeah, you know
I used to have a scene with him"

(Romeo and Juliet, The Killers)


Esta semana assisti, finalmente, à cena em que Kevin e Scotty, em
Brothers and Sisters, celebram, perante a família e amigos, a sua união de facto. Não é segredo para ninguém que lê este blogue há já algum tempo que acompanho esta série norte-americana da ABC e que, de quando em vez, me dá para a comentar aqui. Desta feita, confesso sem pudor, deixei rolar algumas lágrimas. Acho que chorei mais pela forma do que pelo conteúdo. Passo a explicar. Comovi-me mais pela forma como as reacções dos vários intervenientes foram tratadas do que propriamente pelo acto em si.
Preciso ser honesto: casar com outro homem, ou até mesmo morar junto, é algo que não enxergo, a curto prazo, no meu horizonte. Nem sei se algum dia estará nos meus planos. E não é por falta de bons exemplos, que entre os meus amigos mais recentes tenho, pelo menos, duas uniões que me merecem o maior respeito e admiração por tudo o que já conseguiram e ainda hão-de viver. Não tem, até onde imagino, é muito a ver comigo.
Na verdade, não sei se estarei fadado para o casamento ou para uma vida a dois que exija coabitação... Suspeito que já atingi aquele patamar de egoísmo - ou de solteirice aguda, se preferirem, a que os franceses apelidam pomposamente de célibataire endurci - em que se torna difícil a ideia de partilhar o espaço e de conviver diariamente, e de muito perto, com outras manias que não as minhas... Sim, porque já a ideia de adormecer e acordar com outra pessoa ao lado é-me simpática - aliás, acho deliciosa a sensação de adormecer e acordar abraçado a quem se gosta.
Seja como for, sinto falta de me apaixonar. Apaixonar para valer. Se eu for dar ouvidos ao que vaticina o meu horóscopo - sou pragmático, mas leio horóscopo -, esta é uma semana "daquelas". De facto, está a ser uma semana "daquelas", não só pelo trabalho acumulado que tento despachar à custa de apenas três horas de sono por noite, mas porque tive de oferecer a minha amizade a dois homens que são, cada um à sua maneira, importantes para mim. Um, porque acho que não vai dar certo; o outro, porque acho que não deu certo. Nenhuma destas decisões é totalmente definitiva, mas foram pensadas, mastigadas... Ainda assim, sou sempre acusado de as tomar de forma fria e excessivamente racional, como se para mim lidar com os sentimentos, os meus e os dos outros, fosse tão fácil como beber um copo de água.
Não é, mas algo está, porventura, errado na forma como eu me dou a ver aos outros, já que este é um erro recorrente quando avalio o meu trajecto sentimental. O facto de eu não gostar de idealizar quem está ao meu lado - porque para mim, gostar de alguém implica eu admirar as suas qualidades, mas também ser capaz de identificar e de viver com os seus defeitos - sempre me trouxe problemas. No amor como na amizade. Passo por alguém cru, quando não mesmo cruel, que coloca nas relações uma dose exagerada de realismo e por isso cria insegurança na outra parte. E é ai, mais ou menos por essa altura, que deixo de ser eu - com todas as minhas fraquezas, incoerências, imperfeições - aos olhos do outro para passar a ser um ideal de honestidade que as pessoas admiram, mas temem. Um ideal a que eu não tenho como corresponder. Um ideal a que eu, suprema das ironias, nunca quis ser associado. Porque tudo o que eu procuro é alguém que seja capaz de me amar pelo que sou e não por aquilo que projecto. Alguém para quem eu não tenha de fingir que sou perfeito, quando a perfeição, stricto sensu, nunca me interessou.

13 comentários:

Râzi disse...

Gente... não fosse eu já apaixonado e enamorado do meu amor, acho que teria me apaixonado por vc, meu amigo!

Apesar de falar em frieza, crueldade e cru...(como seria a adjetivo para cru??) vc demonstra uma sensibilidade e uma maturidade que eu, como bom capricorniano (também gosto de horóscopo) não posso deixar de notar e admirar!

Sinto-me, ainda, honrado por ter sido indiretamente citado nesse Post! Minha cara e meu coração, assim como o do Lê, estarão sempre abertos pra vc!

Mas apesar de suas convições e firmeza, que sei que tem, a Vida é uma brincalhona! E ela gosta de pregar peças! Das mais agradáveis que vc pode imaginar... ou não!

Então, vou esperar! :D

Beijão, meu amigo! Saudades!

Edu disse...

Râzi bobo! Ele tava falando de mim!!! :-)

Convivência com outras manias é um assunto que tem me passado pela cachola com mais freqüência à medida em que o "juntar as escovas de dente" se aproxima, hehe... Mas acho que sou tranqüilo e os defeitos do Bichinho não são lá muito horrendos (ele costuma comer todos os doces e não deixar pra mim, mas...).

Acho que na hora certa, com a pessoa certa (não "sem falhas") você é capaz de se arriscar, sim. Vejo em você um quê de aventura nos olhos. Mas nada, absolutamente nada, te impede (ou a qualquer um) de ser plenamente feliz sem um casamento.

Ah! Não fosse pelo sotaque português, em algumas partes eu juraria que era o Mauricio escrevendo, hehehe...

Jackson Jr. disse...

então tá.
qual é teu signo mesmo?

Paulo disse...

humm, isso deve ser mesmo solteirice aguda. apesar de não servirmos de exemplo para ninguém, a verdade é que, sim, é possível viver junto, coabitar e ser muito feliz assim. há 5 anos que o fazemos e sem qualquer arrependimento. mas, lá está, cada um é um caso.
já sentir a falta de estar apaixonado, isso é outro assunto. quem sabe uma semana dessas...

abraço

pinguim disse...

É mais que evidente que tenho que concordar com o Paulo; tu sofres de solteirite aguda mesmo, pois a forma como hipotéticamente vês um relacionamento está absolutamente correcta, é ver o bom e o menos bom, é ter o ónus de conviver ou cohabitar com outra pessoa mesmo quando te apetece ficar só, mas aomesmo tempo ter a felicidade de ter o corpo aquecido num lençol gelado de solidão.
Não me entusiasma minimamente um casamento, mas não o condeno e até sou capaz de lutar pelo direito de o poder fazer.
Não estás só nessa satisfação de ver o "Brothers & Sisters"...
Abraço.

Ludo disse...

Rapaz... eu me identifico muito com você a cada "pedacinho" que conheço (e isso está longe de ser uma cantada!). Neste post, identifiquei-me precisamente com o fato de ser pragmático (queria tanto ser mais prático) e com o fato de almejar ter com quem dormir e acordar, mas relutando em ter que dividir espaço (aceitar e ceder manias...)! MAs um ponto em que me diferencio sobremaneira de você é quanto à idealização do "ser amado". Sempre criei OBJETOS DE PAIXÃO, em vez de buscar uma PESSOA (que tem inerente "N" defeitos). Hoje isto está um pouco diferente, eu percebo. MAS, ainda enalteço demais características que, supostamente existentes, atendam às minhas expectativas...

Marco disse...

Oz, seu tremendo SPOILER! Vou tomar cuidado toda vez que vier ler seus posts daqui pra frente... Hehehehe!

Brincadeiras à parte, entendo o seu "drama", e conheço algumas pessoas assim. Já tive a experiência de viver "casado" por quqse dois anos, que considerei muito válida, apesar do término.

Como estou na minha fase recem-solteiro, acho que vou demorar a ter planos assim tão cedo. Ou não!

:-P

Bjo.

confissoesaesmo disse...

Eu nunca achei que pensaria na possibilidade.
Acabou que pensei.
Mas já me dei conta de que acho q não nasci pra isso mesmo.
Até q eu mude de idéia de novo, rs...

Bjos

MrTBear disse...

De facto, é mais fácil viver "trancado" no nosso mundo, do que abri-lo.
Mas, partilhar a vida com alguém, é também abrir uma janela de madrugada, num dia lindo de Primavera e respirar o ar ainda fresco.
E precisamos desse ar para viver. Mesmo que só se abra a janela de vez em quando.

Abraços

FOXX disse...

gente, como tem gente q gosta de brothers and sisters, é impressionante como essa série está sendo comentada...

e o detalhe, todo mundo comenta com lágrimas nos olhos...


tb sinto a mesma falta, oz
de me apaixonar
de me apaixonar de verdade
e principalmente de ser correspondido
mas a gente não pode ter tudo nesta vida né?

Uillow disse...

Oz, meu caríssimo amigo Luso. Não tem pq tentar ser ou procurar uma pessoa perfeita... até pq a perfeição enjoa... é chata!
E tu vai ver que vai aparecer alguém assim... a pessoa que te merece! :)

Saudades!

Beijo!

Tarco Rosa disse...

Eu também pensava assim, mas um dia aconteceu e eu digo que casar e morar com alguém é algo maravilhoso.
Um grande abraço

The Secret disse...

Concordo em gênero, número e grau!
Beijos
Saudades...